quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Amor à distância

Vai estrear no cinema uma dessas comédias românticas da nova safra, onde entra um pouquinho de drama, com a Drew Barrymore e Justin Long, que já namoraram na vida real, vivendo uma relação cada vez mais normal ultimamente.
Na trama Erin (Drew) conhece Garrett (me veio à cabeça Almeida Garrett, poeta português super romântico, será que pirei?rs) pouco antes de se mudar para o outro lado do país, o problema é que eles estão nas 6 semanas, momento em que a paixão está explodindo -que delícia!- e por isso decidem levar a frente, com sms, ligações sensuais e tudo mais que a tecnologia nos fornece para este tipo de relacionamento.
Vou colocar o trailer por que é uma fofurinha!


Pensei neste filme e neste post pela seguinte razão, ouvi um amigo comentando sobre o trailer e que com ele é a mesma situação, e como ele mesmo disse "rola mó treta" ai fiquei pensando na minha história amorosa.
O lance "à distância" fez parte da minha vida, relacionamentos inconclusivos, sonhos inatingíveis que significavam, medo de se relacionar, talvez...

O meu primeiro nunca chegou a ser concluído, a distância e a idade não permitiam, mas foi válido.
Quando as redes sociais ainda não bombavam, existia um site chamado cosplay.com, bem nerd né? E ele permitia colocar fotos e fazer amigos (alow sr orkut e facebook, vcs nem foram os pioneiros!) e um americaninho me adicionou, começamos a trocar mensagens, naquela época eu tinha 16 anos e era péssima em inglês, meses de conversa e ele pediu para me ligar, foi aquela farra aqui em casa, um americano ligando!
E era aquele papo besta, molecada e eu ainda sem entender direito!
Ficamos alguns meses nisso, mais web cam (dele) e email. Ai o cara decidiu que vinha pro Brasil me conhecer, até criou fotolog postando nossa história!Uma graça, ai com 18 anos ele deu uma sumida, entrou para o exército, e eu acompanhando pelo myspace. Sumimos, eu comecei a namorar e ele tava na nóia de ir para o Afeganistão, ele me ligou umas duas vezes nesta época, mas não foi para lá.
Continuamos nas mensagens do myspace e com 21 anos eu fui trabalhar na Flórida, e ele passou a me ligar todo dia durante os dois meses de trabalho, até decidiu ir para lá, ele mora em Denver, mas prefiriu que eu subisse durante o meu grace period, eu não quis, queria ver minha familia logo, isso o desapontou.
Durante alguns meses ele me ligou, ficavamos até a bateria do meu cel acabar e dessa vez falando de tudo que é possível, meu inglês melhorou muito nos últimos tempos, ele até me parabenizou!
Meses atrás nos falamos, ele está morando com a namorada, trabalhando e muito bem, ainda comentou que pretende me conhecer, quem sabe? Adoraria conhecer Denver, mas só como amigos!
Este foi meu caso mais longe, nucna achei que ia concretizar, mas adorava falar com ele.

Ai teve um mais sério, todos me falavam "namorar à distância não dá certo" e eu queria provar que eles estavam errado, ledo engano.
O relacionamento só dá certo se estiver estipulado que esta situação mudará, você indo para lá ou ele para cá, sem esta possibilidade, que foi o meu caso, não adianta querer, não há webcam no sábado a noite que resista!E viajar todo feriado, bom dinheiro não dá em árvores, passagens são caras e o tempo é escasso, eu ainda queria tentar, ele desistiu.
Ai depois todo mundo sabe, chora, recompõe parte para outra.

Lição: não é da minha cidade, não quer o mesmo que eu, NÃO vou tentar provar que o mundo está errado, não é possível sustentar uma relação assim.

2 comentários:

Thais Aux disse...

Tb já passei por isso, é muito complicado mesmo. Ainda mais quando a outra pessoa não tá a fim. Aí é realmente impossível. Quem gostade alguém quer estar junto, né???

Bjuuu

Viwianny disse...

Li e fiquei triste!
Os extremos são doloridos,
amar de mais dói,
amar de menos também, mas você só percebe quando ouve algém dizendo a frase "Eu te amo!" para outra pessoa que não é você.

Estou bem assim.
BeiJu,
Vivi